Um parasita que se contagia por fezes humanas poderia fazer as mulheres mais férteis

Geral

Written by:

Descobrem que ter a infecção de um parasita intestinal, contribui para a fertilidade

Descobrem que ter a infecção de um parasita intestinal, contribui para a fertilidade

Pode Te interessar…

Adeus à amniocentese. Viva o teste de DNA
Uma grávida cega pode “ver” o seu filho
Da fecundação ao nascimento
A gravidez como arte
Quem diria que algo tão desagradável como um parasita pode ajudar o nobre propósito de engravidar? De acordo com descobriu uma nova pesquisa que foi publicada recentemente na revista Science, uma infecção por diferentes espécies de helmintos, uma classe de vermes parasitas do intestino, pode (positiva e negativamente) afetar a fertilidade das mulheres.
Este tipo de infecção tornou-se bastante comum em países que estão em desenvolvimento. Sua transmissão ocorre através de ovos que se encontram em nossas fezes e contaminam o solo de áreas que estão em más condições sanitárias. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde (oms), em torno de dois bilhões de pessoas em todo o mundo estão infectadas com esses vermes (helmintos.
A investigação, dirigida pelo professor Aaron Blackwell, do Departamento de Antropologia da Universidade da Califórnia-Santa Barbara, deu início graças a uma das autoras ficou grávida na Bolívia enquanto trabalhava vermes parasitas. Conforme explicam, Melanie Martin ficou grávida pouco tempo depois de chegar ao país. A científica vinculou sua pesquisa com os helmintos com a rapidez de ficar grávida e decidiu começar um novo estúdio com o seu computador.
Com o fim de descobrir se suas suspeitas eram verdadeiras, pediram a ajuda de 986 mulheres de Tsimane, que é uma pequena população indígena que habita as terras baixas da Bolívia.e analisaram cuidadosamente nove anos de dados longitudinais. Tiveram em conta o número de gravidezes que cada mulher tinha tido e a possível incidência da infecção com dois helmintos, os mais comuns, que são o Ascaris lumbricoides (minhoca gigante) e o Anclystoma duodenale (mais destes vermes) para descobrir se realmente existia uma correlação. Percebiam que em torno de 70% das mulheres tinham infecção por helmintos e que as mulheres indígenas tinham em média nove crianças cada uma. Encontraram, também, que as mulheres infectadas com o parasita tinham mais chances de engravidar, enquanto que aquelas afetadas por mais destes vermes acontecia ao contrário.
De acordo com os resultados obtidos, os cientistas calcularam que as mulheres infectadas com o Anclystoma duodenale tinham três filhos menos que as mulheres não infectadas durante toda a sua vida reprodutiva. No caso das mulheres infectados por Ascaris lumbricoides, tinham dois filhos mais do que se esperava.
Fonte: sciencemag.org

Comments are closed.