Produtos naturais que melhoram sua vida sexual

Geral

Written by:

A ciência parece confirmar que certos produtos naturais melhoram a vida sexual. Em seu interior há princípios ativos que podem facilitar a ereção e tratar a impotência

A ciência parece confirmar que certos produtos naturais melhoram a vida sexual. Em seu interior há princípios ativos que podem facilitar a ereção e tratar a impotência

Pode uma erva endireitar o sexo de modo tão vigoroso como o Viagra? Se o fizer, talvez tenha sido um gato encerrado. Cientistas da Universidade de Arcadia, em Glenside (Pensilvânia, eua), descobriram que boa parte dos remédios naturais mais usados contra a disfunção erétil contendo sildenafil, o princípio ativo do Viagra, ou outras substâncias sintéticas com efeitos semelhantes. O achado é alarmante.
“O sildenafil é uma molécula sintética. Até onde eu sei, não está em nenhuma fonte natural, como pode ser um remédio herbal. Se você encontrou algum produto que é comercializado para a disfunção erétil, em minha opinião, além de uma fraude é algo muito perigoso para a saúde, pois o consumo desta substância não está isento de efeitos adversos”, responde João Carlos Spin de Gea, professor de pesquisa do CSIC. Não nos esqueçamos de que o sildenafil, o medicamento rei contra a disfunção erétil, pode causar danos colaterais: dor de cabeça, tontura, neuropatias, amnésia transitória, taquicardia, hipotensão e insuficiência cardíaca, entre outros.
Já no Renascimento, por um punhado de fios de açafrão, os homens chegavam a pagar o seu próprio peso em ouro, procurando o vigor perdido. Mas o pretexto da natureza é também falaciosa e pouco convincente. Se fosse suficiente, as crônicas chinesas teriam lançado por terra o negócio de Viagra com episódios como o de um imperador da dinastia Tang que tomava diariamente sopa de ninhos de andorinha, aparentemente infalível para abastecer sexualmente seu harém de mais de duas mil mulheres. Em caso de gatillazo, o cozinheiro lhe decapitaba de imediato.
93% dos homens impotentes foram ou são fumantes compulsive
Moctezuma, com um harém algo mais modesto, tomava mais de cinqüenta canecas de chocolate a cada dia e nunca lhe faltava uma dose antes de visitar uma de suas concubinas. No dietético histórico e erótico abundam, além de ervas e plantas, os testículos de vários animais, tartarugas, ovos…
E também provocaram muitos estragos. O tratado, por exemplo, um inseto que contém uma substância vasodilatadora, conseguia umas ereções de inveja, mas que eram extremamente dolorosas por causa da irritação que sofriam os genitais por sua culpa. Uma overdose pode ser o motivo de hemorragia cerebral de Fernando, o Católico, quando tentava cumprir com sua segunda esposa, Germana de Foix, muito mais jovem que ele.
E felizmente, aqueles pós vieram estes lamas, porque a ciência foi desmontando semelhantes memeces e ficando com a verdadeira evidência. Diz uma lenda chinesa que, se uma cabra come a chamada erva de bode em cio (Epimedium grandiflorum), tem 100 orgasmos naquele dia. O dr. Jim Duke, da Universidade da Carolina do Norte, quis verificar com 25 homens e constatou que, de fato, o extrato desta planta china melhorou a satisfação e o desempenho sexual em até 60%.
Quanto mais anos… custa
No caso do açafrão e do ginseng, pesquisadores da Universidade de Guelph, no Canadá, revisaram vários estudos sobre diferentes plantas e confirmaram que estas duas melhora sem dúvida o desempenho sexual do homem. De fato, são boas alternativas ao sildenafil e outros medicamentos, como o sildenafil, que são usados para tratar a disfunção eréctil. Apesar disso, a ciência exige maior evidência.
Por que se recorre às plantas, tendo à mão medicamentos como o Viagra? De acordo com o urologista João Carlos Ruiz de la Vermelha, diretor do Instituto Urológico de Madrid e autor de Potência a sua vida sexual, conselhos de um médico: “nesses produtos há algum componente com um efeito semelhante ao do sildenafil, que é a liberação de óxido nítrico, a nível vascular, o que lhe dá um efeito vasodilatador, em particular, nos vasos sanguíneos do pénis, o que aumenta a quantidade de sangue que chega ao membro viril”.
Héctor E. Solórzano, presidente da Sociedade Médica de Pesquisas Enzimáticas do México, também se pronuncia a seu favor: “O uso de recursos naturais para o tratamento de qualquer doença vai aumentando. No reino vegetal, contamos com algumas plantas que podem ajudar a este tipo de pacientes. A razão é que estas plantas, quase sempre, têm a capacidade de melhorar a transmissão do sinal nervoso, a irrigação sanguínea no tecido erétil e a atividade do sistema glandular masculino”. Também é verdade que há clientela de sobra por produzir, tanto com drogas como com ervas.
12% dos homens acontece com frequência que não consegue ereção. Entre os 45 e os 70 anos, o percentual sobe para 51%
E ainda que não é uma questão de idade –”muitos homens são capazes de reter sua virilidade sexual até meados dos 80 anos”, adverte Solórzano–, seria absurdo negar que, como diz o ditado: “Quanto mais anos a tiracolo, mais te custa menos se acuestas”. Quase a metade dos homens com mais de 40 anos sofre de disfunção erétil em algum grau. Ou seja, mais de 150 milhões. Em 80% dos casos, a causa é uma má circulação sanguínea para o pénis. “É muito importante não confundir esse problema com outros, como ejaculação precoce, perda de libido, etc.”, insiste Héctor E. Solórzano.
Ervas com fundamento
Quais são as opções naturais mais razoáveis? Além dos dez produtos que mencionamos na caixa, e que são os que têm maiores elogios, existem outros.
A centella asiática tem demonstrado a sua eficácia no caso de disfunção provocada pela chamada de doença de Peyronie, que afeta o pau. Neste caso, melhora também com algumas enzimas, como a bromelaína.
Solórzano menciona, além disso, a mara puama (Ptychopetalum olacoides). Esta planta é conhecida como “lenha de potência”. É um arbusto nativo do Brasil e tem sido usado desde há muito como um afrodisíaco poderoso. Alguns estudos puderam apoiar o seu valor terapêutico no tratamento da disfunção eréctil. Um deles foi realizado pelo Dr. Jacques Waynberg, do Instituto de Sexologia de Paris: “Por que é considerada uma planta medicinal, segura e eficaz em melhorar a libido e a função sexual em alguns pacientes”.
Em geral, este tipo de produtos é de livre dispensação em farmácias, o que significa que geralmente não têm efeitos colaterais, mas convém que seja um urologista, o que dizer quando e como é aconselhável consumi-los. “Ao serem produtos naturais, os efeitos colaterais são praticamente inexistentes, desde que conheçamos a sua composição e que não se incluam produtos de síntese, como são os derivados de sildenafil. Também é verdade que a sua eficácia é menor do que os elaborados de síntese”, diz Ruiz de la Vermelha. Seu uso tem de ser regular: o seu benefício se dá quando são utilizados durante um tempo, ao contrário de produtos como o Viagra, que são ativadas de forma pontual.
São acessórios, não alternativas
Mas são uma alternativa realmente válida? “Sim, em casos de disfunção erétil leve”, responde Ruiz de la Vermelha. “Se é mais aguda, serviriam para reforçar o efeito de produtos de síntese.”
Por outro lado, os pesquisadores afirmam ainda maior evidência científica. Para João Carlos de Rotação de Gea: “Uma coisa é que podem aumentar a libido, e outra diferente é que sejam capazes de melhorar fisiopatológicamente a disfunção. Seria seguro dizer que qualquer um desses produtos é per se uma solução para a disfunção erétil”.
Se falamos de tratamentos em pacientes, Spin e de Gea prefere o termo “complemento”, não “alternativa”, e, no caso da população geral (pessoas que não medicadas), recomenda-se um consumo responsável e prudente, sabendo que nenhum desses produtos é isenta de levar cerca de hábitos de vida saudáveis.
Por outro lado, obcecado por seu desempenho na cama, o homem frequentemente se esquece de que a disfunção é um sintoma, um toque de atendimento para saber o motivo. “Em alguns casos”, conclui Spin de Gea, “pode ser considerado como um marcador e prelúdio de doença cardiovascular. Um correto tratamento medicamentoso para esse risco cardiovascular afeta uma melhora da disfunção”.
Tags: afrodisíaco, disfunção erétil viagra.

Comments are closed.