A lei antitabaco prejudica gravemente a saúde das crianças

Geral

Written by:

A lei tem feito um grande favor para os adultos, mas não para os mais pequenos

A lei tem feito um grande favor para os adultos, mas não para os mais pequenos

Pode Te interessar…

Os fumantes passivos podem medir a nicotina que respiram
A última tragada
Fumar faz menos macho
Em Portugal é proibido fumar em cafés, restaurantes, locais de lazer noturno e em outros lugares públicos desde 2011, ano em que entrou em vigor a Lei anti-tabaco. Uma decisão que encheu de alegria os adultos não fumantes, mas que, a longo prazo, está mostrando ter um importante dano colateral: as crianças.
De acordo com um estudo realizado por cientistas da Universidade de Granada e do Instituto de Pesquisa Biosanitaria, desde a entrada em vigor da lei, as crianças tornaram-se os principais fumadores passivos de nossa sociedade. Para chegar a estas conclusioens, os pesquisadores elaboraram um questionário epidemiológico e mediram também os níveis de cotinina (substância derivada da nicotina, que é usado como marcador de exposição ao fumo do tabaco) em amostras de urina de 118 crianças. Estas amostras foram fotografadas antes e depois que a lei entrar em vigor.
Se é verdade que a lei conseguiu reduzir de forma considerável os níveis desta substância na população adulta, no caso de crianças, esta aumentou ligeiramente (de 8,0 ng/ml 8,7 média).
Qual a explicação? Segundo os cientistas, esta situação deve-se a que os espanhóis fumam mais na presença de seus filhos, especialmente em suas casas e nos carros. “Esta situação transforma os filhos em fumantes passivos, com o enorme risco que representa para a sua saúde”, explica a nota de imprensa emitida pela UGR. O estudo também revela que metade das crianças que não são fumantes passivos.
Conforme explica Mariana Fernandes Cabrera, do departamento de Radiologia e Medicina Física da UGR, “fatores sócio-demográficos, como a educação, ocupação, renda ou classe social parecem associar-se diretamente com a exposição ao fumo do tabaco ambiental –continua Fernández-. A crise econômica sofrida no sul da Europa durante o período deste estudo (2006-2013), cujo impacto foi especialmente importante na Andaluzia, poderia justificar, em parte, os resultados encontrados”.
Fonte: UGR

Comments are closed.